“Susi”

1 ano

 

Dia 3, fez um ano que a gente ganhou a Susi de novo, graças a Deus e ao veterinário dela, Dr. Cláudio. Ela ainda tem vazamento por causa da rejeição aos pontos, normal, tão normal que não pára de fazer arte, a sequência abaixo é uma raridade, porque nunca consigo provar quem é a criminosa que quebra minhas coisas…é malandra a casa caiu…

SAM_0113 SAM_0114 SAM_0115SAM_0116 SAM_0117 SAM_0118

Anúncios

O que acontece com os Pet shops?

 Se recuperando da cirurgia - ganhou dois apelidos: babaquete (em homenagem ao Felipinho que não fala capacete direito) e abajur, porque rir é um ótimo remédio pra eles tamem, se bem que ela não achava muita graça...

Final de domingo, relaxando no sofá, resmungando pra gente fazer cóceguinha na barriga...

Ontem mandei a Susi pra tosar, mas me arrependi profundamente, porque a bichinha voltou machucada, um inchaço horrivel no bracinho, pequenas lacerações causadas pela máquina que sangraram muito por causa das lambidas e cutucões que ela deu pra aliviar a dor. O triste é que marquei pra ela ir na segunda, mas o carro que faz o esquema leva e traz estava no concerto, dei graças a Deus por ela não ter ido, sempre tive um pé atrás com esses pet-shops (sei que não sou a única), mas acabei remarcando pra ontem e mesmo tentando me convencer que daria tudo certo, no fundo estava torcendo pra desmarcarem de novo, tenho um sexto sentido infalível, fui entregar minha bichinha com o coração na mão, fiz aquela lista de recomendações e mesmo assim fiquei desesperada, acalmei quando ela chegou em casa, mas só vi os machucados depois que o rapaz foi embora.
Hoje meu marido ligou lá, pra saber o que aconteceu, claro que disseram que não foram eles, não de jeito nenhum, quem machucou minha cachorra fui eu tá? Não esperava outra atitude, foi assim quando as açougueiras deram o diagnóstico errado e eu quase matei ela. Mas fiquei decepcionada sim, acidentes acontecem, podia ser que ela tivesse caído ou batido em algum lugar, mas dizer que não é responsabilidade deles é triste demais. Não vamos mais tocar no assunto, ela vai ficar bem, já superou coisa pior. Graças a Deus  tudo que queremos está aqui, minha vida são essas cachorras mesmo, meu coração, minha alma e podem falar o que quiser, quanto mais convivo com certas pessoas mais amo os animais…

O resto vai bem, obrigada, depois conto os detalhes tá?

Namastê!

Noticias

4978383568_a4bec0093a_m

Parei algumas coisas esses dias pra cuidar da minha bebê. A bichinha estava tomando remédio de hora em hora, alem disso tinha que fazer e lutar pra dar papinha na seringa, já que estava recusando comida. A gastroenterite já melhorou um pouco, mas os antibioticos afetaram o fígado e hoje ela teve uma piora. Levei na médica, ela suspendeu os medicamentos e receitou chá de boldo pra ajudar a recuperar o fígado, além de vitaminas e um remédio pra abrir o apetite. Passou alguns exames, mas só pra garantir. Chorei o dia inteiro, primeiro porque ela me olha assustada com esses olhinhos redondos, toda vez que chego perto, já que ultimamente isso quer dizer que vou colocar um troço amargo na boquinha dela, as vezes nem bebe água com medo de eu dar remédio. Pelo menos já está reagindo a mim, me dá bronca, foge, se esconde…isso é bem típico dela quando não quer fazer alguma coisa. Mas o que me deixou desesperada foi ver meu bebê prostradinha de novo, recusando bifinho, franguinho, água…isso acabou comigo…fiquei tão frustrada, tão assustada que acabei discutindo com meu marido, mais pra desabafar o pavor que estava sentindo do que qualquer outra coisa…

A médica me acalmou um pouco, explicou que ela já tem relativos 56 anos e que deve ser tratada como uma senhora, com respeito, amor, comidinhas leves, carinho, atividade física moderada, muita brincadeira e atividades de laser…exatamente como a gente vem tratando ela todo esse tempo. Me deu os parabens porque disse que apesar de estar dodói (e da catarata) ela está muito bem cuidada, inclusive a dentição.

Mesmo assim, passei o dia chorando, tipo besta mesmo. Só parei quando ela limpou o pratinho com bifinho…

Fico abalada porque ela não sabe dizer o que dói, o quanto dói, nem o que quer que eu faça pra ela se sentir melhor. E no entanto, toda vez que choro, ela vem com seus olhinhos redondos, suas patinhas fofas e tenta me consolar – mesmo estando doente…