corrida

Corra e fique ligado

123malhando Correr vicia porque libera no organismo substancias poderosas, mas quem corre nem quer saber o nome dessas substancias, só dos efeitos que elas provocam. Tá, podem variar de pessoa pra pessoa, eu fico ligadona – tipo 220 mesmo – mas tem gente que fica mais calma, talvez porque o efeito esperado naturalmente seja o cansaço né? é que eu sou estranha mesmo…

Interessa é que toda vez que vejo uma noticia de viciados em drogas, eu penso porque o cabra não vicia numa coisa saudável? porque tem sempre que ser num troço que vai acabar com a vida dele? tenho nada a ver com as opções dos outros não, mas sinceramente, o barato da corrida reflete na pele, na vida, na alma e podem durar pra sempre…e não deixam mau hálito…

Voltando a correr

mulher-correndo

 

Segunda comecei um treino novo mais focado na corrida, vejo como mais uma etapa vencida na atividade física apesar dos altos e baixos com a fibromialgia. Não mudou muita coisa, ontem fiz o primeiro treino de corrida: 20 minutos, achei pouco mas já dá pra “enjoar” menos, nem sei quanto tempo fiquei fazendo a mesma coisa. Vou aproveitar essa fase pra melhorar a alimentação, eu tenho comido pouco mas a qualidade nem sempre é boa…

Correr pra viver

imagem-098

Corrida é minha grande paixão. Um vício, um barato e cada dia eu gosto mais. Não estou nem perto de correr o mesmo que antes (da fibromialgia), mas já sinto minha resitência melhor. Tudo tem de ser feito aos poucos: 1 minuto a mais por dia, 1 km a mais por semana, seguidos por intermináveis pausas para alongamento, alongamento, alongamento…
Essa semana comecei a correr com inclinação – eu faço treinos na esteira durante a semana e no sábado corro no parque – consegui convencer meu marido a ir comigo e a gente aproveita esse tempo pra relaxar, curtir o parque. Por enquanto meu objetivo é ganhar resistência, depois espero alçar voos mais altos – quem sabe 10 km? e depois talvez, me prepare pra São Silvestre de 2009?!!! Já pensou!!?
Meu treino é bem específico e sinto um grande interesse do orientador com relação a fibromialgia: ele conhecia de ‘ouvir falar’ mas nunca teve um aluno com a sindrome, portanto, pra ele tambem é uma novidade, algo a ser aprendido e experimentado. Por isso, estamos sempre atentos as respostas do meu corpo pra cada movimento e temos de ter flexibilidade pra mudar o treino se for necessário.
Minha meta, acima de tudo é o prazer. Já percebi que meu estado de espirito influencia diretamente os sintomas da fibro, por isso, negocio comigo mesma e a corrida é um presente que me dou por estar controlada. Não há nada que se compare a sensação do vento batendo no rosto, o suor escorrendo pelo corpo, a respiração ofegante e a certeza de que estamos fazendo o melhor que podemos, por nós, nosso corpo, nossa mente. E tem os pássaros nas árvores…e a sombra das arvores…e aquele monte de gente bonita, buscando a mesma coisa que eu…e tem meu maridão, claro!!!

A compulsão alimentar não deu mais as caras. Nem vou entrar em detalhes agora de como estou conseguindo isso (fica pra mais tarde), mas tem tudo a ver com controle – a decisão de fazer ‘mesmo’ o que é melhor pra mim. Como li num livro: “controle é a única coisa que me resta, não posso me dar ao luxo de perde-lo pra não perder tambem minha sanidade”.

Namastê!